domingo, 28 de fevereiro de 2010

Percy Jackson e o Ladrão de Raios

Chris Colombus volta a se aventurar na fantasia. Depois de tomar a frente dos dois primeiros filmes do bruxo mais famoso da atualidade, o diretor resolve dar uma passadinha na mitologia grega e tentar, com ela, mais uma trilogia fantástica de sucesso. Se não fosse esse o objetivo, a adaptação nem teria sido feita.
O longa é uma adaptação do livro "Percy Jackson e os Olimpianos", onde a primeira aventura é justamente esse "Ladrão de Raios". O garoto (Logan Lerman) descobre ser um semideus, filho do deus dos mares, Poseidon, e é o principal suspeito de ter roubado o cobiçado Raio de Zeus. Perseguido, perde a sua mãe, que acabou sendo capturada por um minotauro servo de Hades. Percy, então, decide ir atrás dela no submundo (inferno) e tentar provar que ele não está de posse do misterioso Raio.

Cheio de incríveis efeitos especiais, o filme tem algumas pequenas falhas de roteiro, mas nada comprometedor. Sem dúvida, este novo trabalho de Colombus é superior aos que ele dirigiu na série Harry Potter, que eram demasiadamente episódicos.

Colombus usou bem tudo aquilo com que já trabalhou: a linguagem para um público específico (adolescentes), qualidade na direção de arte e efeitos especiais e melhorou o que outrora havia deixado a desejar nos seus trabalhos: "Percy Jackson" (Percy Jackson & The Olimpians: The Lightning Thief, EUA, 2010) é um filme que funciona bem.

Talvez as maiores falhas do longa sejam mesmo culpa da história original; não posso afirmar com propriedade porque não li os livros, mas começo, então, falando de duas coisas que mais me chamaram a atenção.
O Percy do filme é ligeiramente mais velho que do livro (pelo menos aparentemente, pois aquele ator nunca que tem cara de alguém com 12 anos) e as danças (lutas) são um tanto forçadas e nada naturais. A cena da bandeira é, no mínimo, tosca: se a missão era pegar a bandeira, e a equipe que o fizesse por primeiro ganhava, porque aquele monte de gente que estava ao redor da briga de Percy com a filha de Athenas não se ocupou em fazê-lo? Ao fim da luta, ficaram olhando o protagonista ir até a bandeira e pegá-la calmamente, sem fazer nada. Sinceramente, não consegui digerir essa cena. Mas isso deve ser um dos erros do original, talvez.
Uma história da mitologia grega se passar na atualidade não é inadmissível. Mas se passar nos Estados Unidos, é sim. O Olimpo fica no Empire State, a entrada para o inferno, atrás das placas de Hollywood e, apesar de todas as referências divinas serem em grego, os deuses falam inglês.
Não acho, como muitos dizem, que o erro maior do filme seja a redução da história a conflitos de pai ausente e filho carente. O erro ali foi o filme ser feito. Se o original contém todas essas tosquices que o longa demonstra, não é uma história digna de ir para as telonas. Mas já que foi, não dá de negar, é um interessante filme pipoca, somente se você conseguir engolir os desaforos. Eu, felizmente, suportei. Ao menos os efeitos especiais são bons e o protagonista é mais expressivo que o Robert Pattison.

4 comentários:

  1. Eu, sinceramente, esperava menos desse filme, mas mesmo assim achei ele bem ruinzinho. Prefiro ver o filme do Pelé.

    ResponderExcluir
  2. Por isto que gosto deste blog, ele é
    preciso nas dicas dos filmes. Valeu pela dica.
    Abraços. Verônica Elias.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Juliano, vim agradecer sua visita e vejo você falando justamente do filme que estou com vontade de assistir. Sou vidrada nessas ficções. Que sorte tive de aparecer por aqui hoje. Devorei seus comentários e me animei mais para assistir o filme. Visite também meu outro blog (Fenixando), pois o atualizo com mais constância. Abração!

    ResponderExcluir
  4. Gnte quanta coisa nova pra mim Õ.o nunca que eu ia imaginar que tinha Mitologia grega no meio. Colocar pelo visto tá bem 'americanizado'.

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre este filme? E sobre esta crítica? Comente! Deixe a sua opinião! Participe!